---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

educacaoambiental
Lixo no lugar certo e no momento certo

Publicado em 06/11/2018 às 09:53 - Atualizado em 06/11/2018 às 09:53

Falar sobre educação ambiental é um assunto em pauta constantemente, seja para destacar boas práticas ou falar sobre o desrespeito. Infelizmente essa matéria destacará, principalmente, pontos negativos de pessoas e famílias anitenses que estão descartando lixo em dias em que não há coleta e colocando-os misturados (orgânico e reciclável) e soltos, sem ser em sacos ou sacolas. Outro fato é que lixeiras foram estragadas e em alguns dos 70 pontos no município, também houve furto.

Desde 2015 é desenvolvido o projeto de implantação de lixeiras, no início eram conjuntos de latões, e que contempla todo o perímetro urbano e mais quatro acessos a comunidades do interior. Tanto os latões quanto as lixeiras são separados por lixo orgânico e reciclável. Nas segundas e quintas-feiras a empresa responsável pela coleta, a Recicletar, recolhe os resíduos orgânicos e rejeitos, já nas terças e sextas-feiras são os dias da coleta do lixo reciclável.

Nos dias em que não há coleta, ou seja, quarta-feira, sábado e domingo, na maioria dos 70 pontos as pessoas têm depositado resíduos nos pontos de coleta, causando transtornos, pois o caminhão não passa nesses dias, como destacam moradores do bairro Borges: "Na sexta-feira à tarde já tem aqueles que levam lixo para as lixeiras, sendo que todos nós sabemos que o caminhão passa nos dias de coleta no período da manhã e serão, nesse caso, dias de resíduos expostos. O lixo vai se acumulando no final de semana, causando mau cheiro, sujeira, porque os cachorros mexem, e ainda algumas pessoas deixam no chão, se espalhando com o vento. Não custa guardar em casa e depositar próximo do horário da coleta. Todos nós temos que fazer nossa parte, para o bem comum, para manter nossa cidade bonita".

Outro problema da falta de colaboração de parte da população, enfatizado pela equipe da Recicletar, é que além de o lixo estar misturado entre orgânico e reciclável, quando está sendo realizada a coleta (a partir das 8h), algumas pessoas deixam de entregar os resíduos para os coletores e colocam em lixeiras onde o caminhão recém passou, fazendo com que eles tenham que retornar para pegar. "Muitas vezes o caminhão está mais perto do que a lixeira, mas não nos entregam em mãos", disseram.

A responsável pelo setor municipal de Meio Ambiente, a engenheira ambiental Juliana Oliveira, traz dados referentes a quantidades: "Em 2016 foram coletados por mês 81,5 toneladas de resíduos e em 2017: 84,2 toneladas/mês. No ano de 2017 foram coletados 1.010.340 kg de resíduos, se for dividir pela quantidade de habitantes são 134,05 kg de lixo por habitante/ano e 4,47 kg de resíduos por habitante/dia. Então é um volume muito grande e se a população não colaborar, a coleta não será efetiva", explicou.

A orientação quanto ao resíduo orgânico é para que seja realizada a compostagem, que seria a transformação deste resíduo em adubo.

Já o óleo é coletado no Centro de Educação Ambiental (CEA) e na Secretaria de Agricultura, e o lixo eletrônico também no CEA. "Muitos colocam na coleta seletiva, e esse tipo de resíduo não é reponsabilidade de ser levado pela Recicletar", acrescentou a engenheira.

Atualmente no interior do município não há coleta de resíduos regular. "Estamos trabalhando para tentar solucionar essa demanda! Mas até lá orientamos que quem puder trazer o seu resíduo na área urbana pode acondicionar em sacos bem fechados e dispor na lixeira mais próxima. Também pedimos que não descartem resíduos em locais impróprios como beiradas de estradas e terrenos baldios, recebemos essas reclamações diariamente aqui na prefeitura. Isso é inadmissível, pois existe coleta e existe local para destinar, então não conseguimos entender porque alguns indivíduos ainda insistem em não colaborar", enfatizou Juliana.

A responsabilidade sobre o gerenciamento dos resíduos não é só da Prefeitura, ela é compartilhada entre toda sociedade conforme a Lei Federal 12305/2010 e Lei Municipal 2115/2016 que institui a política nacional de resíduos sólidos de Anita Garibaldi.

Código de Postura. Lei 1786/2017 - Art. 36º - O lixo das habitações será recolhido em sacos plásticos e dispostos em vasilhas apropriadas, providas de tampas, ou em locais apropriados fora do alcance de animais, para ser removido pelo serviço de limpeza pública. Parágrafo único - Não serão consideradas como lixo os resíduos

Na infração de qualquer artigo deste capítulo é multa de 25% a 50% do salário mínimo.

 

Fonte: Jornal Correio dos Lagos/Taís Soares


Galeria de Fotos

  • {{galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
  • {{galeriaMultimidia.length + galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
Fechar